O ABC da perda auditiva

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A seguir, descreveremos de forma objetiva o que é a perda auditiva. Mostraremos o panorama global e latino-americano que ajudará você a entender melhor.

A perda auditiva é um distúrbio relativamente comum que pode começar a qualquer momento da vida e por diferentes razões. Pode afetar os recém-nascidos por causas congênitas, aos jovens e adultos devido a doenças, medicamentos ototóxicos ou exposições a barulhos altos. Além disso, também há que considerar a presbiacusia ou a perda auditiva devido à idade, entre muitas outras razões.

O termo “surdez” refere-se à completa perda auditiva em um ou em ambos os ouvidos e no caso das falhas auditivas consideramos a perda da capacidade auditiva de forma parcial ou total. Ou seja, a perda auditiva pode ser em um só ouvido e nesse caso é chamada de unilateral, ou em ambos os ouvidos, chamada bilateral.

A incidência da perda auditiva está aumentando. De acordo com relatórios da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2018, 466 milhões de pessoas em todo o mundo tinham perda auditiva. Se as medidas necessárias não forem tomadas, até 2030 é possível que existam 630 milhões de pessoas e, em 2050, poderá chegar a 900 milhões com perda auditiva¹.

Saiba mais sobre o que é a perda auditiva e um panorama que ajudará você a entender melhor essa condição.

perda auditiva

Meu filho tem perda auditiva. O que posso fazer?

Um especialista em saúde auditiva é quem vai determinar com precisão se uma pessoa tem efetivamente perda auditiva. 

Consultar com estes profissionais de saúde e seguir suas recomendações é o que deve ser feito se o seu(sua) filho(a) ou algum familiar tiver perda auditiva.

É primordial diagnosticar uma possível perda auditiva. Há sinais que podem alertar, tanto em jovens e adultos quanto em crianças.

Tipos e graus de perda auditiva

De acordo com a localização da lesão ou da parte lesionada da estrutura do ouvido, a perda auditiva pode ser condutiva, neurossensorial ou mista. Além disso, também existem diferentes graus, que podem ser: leve, moderada, severa ou profunda. E, dependendo do momento da vida em que aparecer, se define como pré ou pós-linguística.

O desenvolvimento da linguagem será afetado com maior ou menor severidade de acordo com o grau da perda, a etiologia (ou causa da doença), a idade de início, o gene envolvido e a presença ou a ausência de outras doenças sistêmicas auditivas.

O objetivo do tratamento será sempre buscar o desenvolvimento da linguagem oral de seu filho ou familiar; por isso, o médico especialista será quem indicará para cada pessoa, de acordo com suas condições, o caminho a seguir no tratamento da perda auditiva.

Felizmente, graças aos desenvolvimentos tecnológicos, a perda auditiva pode ser tratada. Estas soluções permitem que as pessoas com perda auditiva possam se desenvolver com autonomia nas suas atividades e rotinas e, no público infantil, poderão desenvolver a linguagem e a possibilidade de estudar e brincar como qualquer outra criança sem perda auditiva.

Isenção de responsabilidade

Procure aconselhamento junto do seu profissional de saúde sobre os tratamentos para a perda auditiva. Os resultados podem variar e o seu profissional de saúde irá aconselhá-lo acerca dos fatores que podem afetar o seu resultado. Leia sempre as instruções de uso. Nem todos os produtos estão disponíveis em todos os países. Contacte o seu representante local da Cochlear para obter informações sobre os produtos.

D1633789-2