O que é perda auditiva ou hipoacusia?

A perda auditiva é a diminuição do nível de audição abaixo do normal. É um distúrbio relativamente comum, que pode começar em qualquer momento da vida por diferentes razões.

O termo surdez refere-se à perda completa da audição em uma ou ambos ouvidos, enquanto que nas deficiências auditivas, a perda da audição pode ser parcial ou total.

Como a audição funciona?

Para entender como ouvimos, você deve primeiro saber que sons são vibrações invisíveis que se movem pelo ar. Quando alguém fala, as folhas rangem, um telefone toca ou alguém gera um ‘som’, vibrações são enviadas pelo ar em todas as direções. Nós chamamos essas vibrações de ondas sonoras.

Quase todas as ondas sonoras são únicas. É por isso que toda pessoa ou objeto soa diferente. As ondas sonoras podem ser agudas ou graves, altas ou baixas.

Quando nossos ouvidos captam ondas sonoras, eles os transformam em mensagens que nosso cérebro pode entender. A qualidade com que são capturados e a clareza com que são enviados ao nosso cérebro dependem de como nossos ouvidos funcionam.

As partes do ouvido:

Existem três partes principais no ouvido:

  • Ouvido externo: capta as ondas sonoras e as direciona para o ouvido médio.
  • Ouvido médio: transforma as ondas sonoras do ar em ondas de pressão mecânica que são então transferidas para os fluidos do ouvido interno.
  • Ouvido interno (cóclea): converte ondas de pressão em sinais sonoros que nosso cérebro pode entender

Para ouvir naturalmente, cada uma dessas partes deve funcionar corretamente.

  • Portanto, a audição natural funciona assim:
La audición
  1. O som entra no canal auditivo.

As ondas sonoras movem-se através do canal auditivo e alcançam o tímpano.

  1. O tímpano e os ossos auditivos vibram.

Estas ondas sonoras vibram o tímpano e os três ossos (ossículos) do ouvido médio.

  1. O fluido move-se através do ouvido interno.

As vibrações são transmitidas através do líquido do ouvido interno na forma de espiral e fazem mover as minúsculas células ciliadas da cóclea. As células ciliadas detectam movimento e o convertem em sinais químicos para o nervo auditivo.

  1. O nervo auditivo o comunica ao cérebro.

O nervo auditivo envia a informação ao cérebro por impulsos elétricos, que são interpretados como som.

Causas da perda auditiva (hipoacusia)

Assim como existem diferentes tipos de perda auditiva (hipoacusia), as causas também são muitas e variadas. A audição envolve uma transmissão complexa e delicada do som através do ouvido externo, médio e interno, de modo que os danos a qualquer uma dessas partes podem afetar a audição.

Da mesma forma, envelhecimento, fatores genéticos, exposição prolongada a ruídos altos, alguns medicamentos, infecções do ouvido médio, lesões na cabeça e condições médicas, como a doença de Ménière, também podem causar perda auditiva.

Além disso, a perda auditiva pode aparecer desde o nascimento ou ser causado por:

    • Uma lesão ou uma infecção.
    • Tratamentos com drogas ototóxicas (certos antibióticos aminoglicosídeos, em particular, gentamicina, estreptomicina e neomicina, e drogas usadas em quimioterapia para o tratamento de câncer, como ciclofosfamida, cisplatina, bleomicina e carboplatina).
    • Exposição prolongada a ruídos muito altos e constantes.

Como parte do processo de envelhecimento, frequentemente ocorrem perdas auditivas progressivas. Quando essa perda é mais severa, pode afetar a compreensão da fala.

Tipos de perda auditiva (hipoacusia)

Podemos distinguir entre vários tipos de surdez de acordo com a localização da lesão.

Surdez congênita

O que é?

A surdez congênita é aquela que está presente desde o nascimento. Afeta um em cada 400 bebês que geralmente se desenvolvem sem qualquer outra característica adicional que sugira uma possível perda auditiva.

Quais são as causas?

A surdez congênita pode ser causada por alterações (mutações) nos genes ou por agentes que danificaram o ouvido durante o desenvolvimento dentro do útero, chamados teratógenos. Tenha em mente que, em muitos casos, a causa da surdez não é determinada.

São conhecidos mais de 80 genes cuja mutação pode causar surdez congênita não-sindrômica, isto é, sem outros problemas ou deficiências associados. O mais frequentemente implicado nesses casos é o gene da conexina 26 (GJB2), localizado no cromossomo 13.

Cerca de um terço dos casos são herdados. Isso inclui aqueles em que os pais são ouvintes, mas são portadores saudáveis de uma mutação determinante da surdez. Essa forma de herança é chamada de recessiva.

A surdez nem sempre é congênita. Algumas crianças são ouvintes nos primeiros anos, aprendem a falar e perdem progressivamente a audição durante a infância ou adolescência.

Aqui, também, fatores genéticos desempenham um papel predominante, assim como na perda auditiva de adultos, que é frequentemente familiar, com herança dominante, e é mais frequente à medida que a pessoa envelhece.

Se seu filho nasceu surdo, você não está sozinho. Visite nossa página para mais informações.

Perda auditiva condutiva

O termo perda auditiva condutiva é usado para descrever a perda auditiva no ouvido externo e médio.

O que é?

A perda auditiva condutiva ocorre quando algo impede que as ondas sonoras passem para o ouvido interno através do ouvido externo e médio. Podemos facilmente simular ou imitar a perda auditiva condutiva, tapando a orelha, gerando basicamente o mesmo efeito.

Quais são as causas?

Existem várias causas que podem levar à perda auditiva condutiva e incluem problemas como infecções do ouvido médio (otite média), tumores benignos (colesteatomas), tímpanos perfurados, traumas e malformações do ouvido médio e externo.

Quais são os sintomas?

Com a perda auditiva condutiva, a fala tende a soar inteligível, mas somente quando o volume é alto o suficiente e não há muito ruído de fundo. Aparelhos auditivos convencionais ajudam, mas às vezes não é suficiente.

Quais tratamentos existem para perda auditiva condutiva? Saiba a seguir.

Perda auditiva neurossensorial

O termo perda auditiva neurossensorial descreve dois problemas diferentes: perda sensorial que afeta a orelha interna e perda neural que afeta o nervo auditivo.

O que é?

Anos atrás, a perda auditiva neurossensorial era chamada de “surdez nervosa”. Agora sabemos que, na maioria dos casos, o problema vem do ouvido interno, e não do nervo auditivo. No entanto, continuamos a agrupar os dois problemas, uma vez que o ouvido interno e o nervo auditivo estão conectados e precisam trabalhar juntos.

Esta é outra razão pela qual a perda auditiva neurossensorial deve ser tratada imediatamente: os componentes neurais “do final” do sistema auditivo precisam de estímulos sensoriais “desde o início” para crescerem e permanecerem saudáveis.

Quais são as causas?

As causas da perda auditiva neurossensorial são diversas, mas em geral podem ser classificadas em duas categorias: congênita e adquirida.

A perda auditiva congênita está presente desde o nascimento e pode ser herdada ou causada por um desenvolvimento anormal nas fases de gestação do feto. Antes que a vacina fosse desenvolvida, a rubéola contraída pela mãe era uma causa comum de perda auditiva congênita em seu bebê.

A perda auditiva adquirida, que ocorre após o nascimento, pode ser causada por vários fatores. Estes incluem trauma, presbiacusia (perda de audição à medida que envelhecem), exposição ao ruído de maquinaria ou armas de fogo, síndrome de Menière e meningite. Medicamentos ototóxicos (que danificam o ouvido, embora possam ser necessários para o tratamento de algumas doenças fatais) também podem desencadear uma perda auditiva. Um tumor no nervo auditivo pode causar uma perda de audição neural, não tão frequente.

Quais são os sintomas?

Se ocorrer em ambos os ouvidos, a perda auditiva neurossensorial implicará na dificuldade em entender a fala mesmo quando a mesma soar alto o suficiente. Se ocorrer em apenas um ouvido, o portador poderá ter dificuldade em localizar de onde vêm os sons ou ouvir com ruído de fundo.

Quais tratamentos existem para a perda auditiva neurossensorial? Saiba a seguir.

Perda auditiva ou surdez súbita

O que é?

A perda súbita da audição neurossensorial, comumente conhecida como surdez súbita, ocorre como uma perda rápida e inexplicável da audição. Geralmente ocorre em um único ouvido, de repente ou gradualmente por vários dias. A surdez repentina é uma emergência médica.

Qualquer pessoa que tenha uma perda repentina de audição deve ir imediatamente ao médico, uma vez que a chance de recuperação é maior se a perda auditiva for tratada a tempo. Às vezes, as pessoas com surdez súbita não veem o médico imediatamente porque acham que a perda auditiva se deve a alergias, sinusite, cera que cobre o canal auditivo ou outras causas comuns. No entanto, retardar o diagnóstico e o tratamento da surdez súbita pode diminuir a eficácia do tratamento.

Quais são as causas?

As causas da surdez súbita são difíceis de identificar. Apenas entre 10 e 15% das pessoas diagnosticadas com surdez súbita podem identificar uma causa. As causas mais comuns são:

    • Doenças infecciosas.
    • Traumas, como um ferimento na cabeça.
    • Doenças autoimunes.
    • Medicamentos ototóxicos (medicamentos que danificam as células sensoriais do ouvido interno).
    • Problemas de circulação sanguínea.
    • Um tumor no nervo que liga o ouvido ao cérebro.
    • Doenças e desordens neurológicas, como a esclerose múltipla.
    • Distúrbios do ouvido interno, como a doença de Ménière.

Quais são os sintomas?

Muitas pessoas notam que têm surdez súbita quando acordam de manhã. Outras pessoas percebem isso ao fazer uma ligação telefônica. Por outro lado, algumas pessoas notam um som explosivo alto como “pof”, pouco antes de sua audição desaparecer. As pessoas com surdez súbita muitas vezes têm tonturas, sentem um zumbido no ouvido (zumbido) ou apresentam os dois sintomas.

Aproximadamente metade das pessoas com surdez súbita pode recuperar sua audição parcialmente ou completamente espontaneamente. Geralmente, isso acontece dentro de uma ou duas semanas. 85% daqueles que recebem tratamento de um otorrinolaringologista recuperam parte de sua audição. O otorrinolaringologista é um médico especializado em distúrbios do ouvido, nariz, garganta e pescoço.

Como saber se sou candidato a uma cirurgia de implante coclear?

Como a perda auditiva é diagnosticada?

Os testes para diagnosticar a perda auditiva podem incluir:

  • Exame físico. Seu médico examinará o seu ouvido por possíveis causas da sua perda auditiva, como excesso de cera ou inflamação decorrente de uma infecção, por exemplo. Ele também examinará qualquer causa estrutural para seus problemas auditivos.
  • Testes gerais de detecção. Seu médico pode pedir que você cubra uma orelha de cada vez para testar o quão bem você ouve as palavras faladas em vários volumes e como responde a outros sons.
  • estes com diapasão. Os garfos de afinação (diapasões) são instrumentos de metal de duas pontas que produzem sons quando atingidos. Testes simples com diapasão podem ajudar seu médico a detectar a perda auditiva. Uma avaliação também pode revelar se a perda auditiva é causada por danos nas partes vibrantes do ouvido médio (incluindo o tímpano) ou nervos do ouvido interno ou danos a ambos.

De uma maneira mais profunda, é possível usar:

Audiometria

Um audiograma mapeia sua perda auditiva através de uma gama de diferentes freqüências de som. Um fonoaudiólogo usa-o para ajudar a avaliar a melhor maneira de controlar sua perda auditiva.

  • Um audiograma é frequentemente chamado de “teste auditivo”.
  • É um registro escrito dos seus níveis de audição.
  • Uma série de audiogramas pode rastrear mudanças na audição ao longo do tempo.
  • Seus níveis de limiar auditivo (os sons mais baixos que você pode ouvir) são medidos em: decibéis (dBNA) em frequências diferentes de baixa (500 Hz) a alta (8000 Hz).
audiometría cochlear

Impedanciometria

É um teste que é realizado para avaliar como o ouvido médio funciona antes do estímulo sonoro, assim como a mobilidade e integridade da membrana timpânica e a continuidade da cadeia ossicular (martelo, estribo e bigorna).

Trata-se de um exame otorrinolaringológico completamente indolor e objetivo que serve para avaliar como a onda sonora se comporta ao longo do ouvido médio.

A participação ativa do paciente não é necessária, diferentemente do que acontece com a audiometria.

No que consiste essa avaliação?

Consiste na introdução de uma sonda no ouvido externo, para que ele fique completamente selado. Esta sonda é composta de três dutos:

  • Um deles está conectado a uma bomba de pressão que permite a variação da pressão da sonda.
  • Outro canal está ligado a um pequeno alto-falante que emite um som de baixa frequência. O que deveria acontecer em um ouvido em condições normais é que, se a pressão da cavidade artificial é a mesma que a cavidade timpânica, a oscilação do complexo ossicular é máxima, ou seja, a impedância que apresenta é mínima.
  • O terceiro e último é conectado a um microfone que transforma o som em um impulso elétrico que é avaliado por um dispositivo chamado voltímetro.

Graus de perda auditiva

O nível de perda auditiva que uma pessoa sofre é classificado como leve, moderado, severo ou profundo.

Medir sua audição será útil para descobrir o tipo de problema auditivo que você ou seu filho pode ter e ajudar seu profissional de saúde a sugerir as melhores opções possíveis de tratamento.

A perda auditiva é medida em decibéis (dB). Este valor representa o nível mais baixo que você ou seu filho podem ouvir. O nível de audição pode ser medido para sons de tom puro e para sons de fala, e pode ser verificado para ambas as orelhas (bilateral) ou para cada ouvido individualmente (unilateral).

O grau de perda auditiva que uma pessoa tem é classificado como leve, moderado, severo ou profundo.

Audição normal

A pessoa com audição normal pode ouvir sons suaves acima de 20 dB.

Perda auditiva leve

Som mais baixo que pode ser ouvido entre 25 e 39 dB.

Dificuldade em entender a fala em ambientes ruidosos.

Perda auditiva moderada

Som mais baixo que pode ser ouvido entre 40 e 69 dB.

Dificuldade em entender a fala sem um aparelho auditivo.

Perda auditiva severa

Som mais baixo que pode ser ouvido entre 70 e 89 dB.

Necessidade de aparelhos auditivos poderosos ou de um implante.

Perda auditiva profunda

Som mais baixo que pode ser ouvido acima de 90 dB.

Tem que recorrer basicamente à leitura dos lábios e/ou da linguagem dos sinais, ou a um implante.

Se achar que você ou seu filho tem algum problema de audição, entre em contato com a clínica mais próxima ou com um profissional de saúde.

Medição de som

Como detectar problemas auditivos em bebês e crianças?

Aproximadamente 3 em cada 1.000 bebês nascem com perda auditiva permanente. É importante controlar o desenvolvimento da fala e da linguagem do seu bebê, bem como a sua resposta ao som. A lista de verificação a seguir fornece um guia geral para os marcos na audição e linguagem.

Do nascimento aos 3 meses:

    • Reage a sons altos.
    • Mantém-se em silêncio diante de vozes ou sons familiares.
    • Faz barulhos de arrulho.
    • Responde à fala olhando para o rosto da pessoa que fala.

3 a 6 meses:

    • Vira os olhos ou segue em direção aos sons.
    • Começa a fazer sons semelhantes ao discurso.
    • Ri e faz barulhos para indicar afeto e desprazer.

6 a 9 meses:

    • Balbucia “dada”, “mamãe”, “baba”.
    • Grita ou vocaliza para chamar a atenção.
    • Frequentemente responde à palavra “não” e ao seu nome.

9 a 12 meses:

    • Imita os sons da fala dos outros.
    • Entende palavras simples como “bola”, “cachorro” e “pai”.
    • Indica pessoas, partes do corpo ou brinquedos quando solicitado.
    • Continuamente aprende novas palavras, embora não possa pronunciá-las claramente.

12 a 18 meses:

    • Parece entender algumas palavras novas toda semana.
    • Segue instruções verbais simples, como “pegar a bola”.
    • Indica para pessoas, partes do corpo ou brinquedos quando solicitado.
    • Continuamente aprende novas palavras, embora não possa pronunciá-las claramente.

18 a 24 meses:

    • Ouve histórias ou sons simples.
    • Combina duas ou mais palavras em frases curtas, por exemplo, “mais comida”.

2 a 3 anos:

    • Entende frases mais longas.
    • Escuta a distância (em silêncio).
    • Segue as instruções que incluem duas ou três etapas.

3 a 4 anos:

    • Entende frases/sentenças complexas.
    • Repete em detalhes histórias mais longas (cinco ou mais sentenças).
    • Se você está preocupado com a audição ou o desenvolvimento de linguagem de seu filho, solicite um teste auditivo para seu filho. Entre em contato com a clínica mais próxima ou com um profissional de saúde auditiva.

O que fazer se você detectar problemas de audição em bebês e crianças?

A maioria das crianças que nascem com perda auditiva pode ser diagnosticada através de uma triagem ou teste auditivo. Mas, em alguns casos, a perda auditiva é causada por condições como infecções, traumas e níveis de ruído prejudiciais, e o problema aparece apenas mais tarde na infância.

Por isso, é importante avaliar a audição do bebê ou criança regularmente durante o seu crescimento. Se o seu bebê não passar na triagem auditiva, isso não significa necessariamente que ele tenha perda auditiva. Como a presença de detritos ou fluidos no ouvido pode interferir no teste, muitas vezes repete-se o mesmo para confirmar o diagnóstico.

Se o seu bebê não passar na triagem auditiva inicial, é importante que o teste seja repetido dentro de 3 meses para que o tratamento possa ser iniciado o mais rápido possível. O tratamento para perda auditiva pode ser mais eficaz se começar no momento em que o bebê tiver 6 meses de idade. As crianças que aparentemente têm capacidade auditiva normal devem continuar a passar por avaliação auditiva nas consultas médicas periódicas.

Os testes de audição geralmente são feitos aos 4, 5, 6, 8, 10, 12, 15 e 18 anos, e em qualquer outro momento, se houver alguma suspeita. No entanto, se você acha que seu filho tem problemas de audição, se o desenvolvimento da fala é percebido como anormal ou se é difícil de entender ao falar, consulte o seu médico.

Como funciona o programa de triagem ou teste auditivo em recém-nascidos?

Programas de triagem ou teste auditivo em recém-nascidos são projetados para identificar a perda auditiva em recém-nascidos logo após o nascimento em hospitais e clínicas de maternidade. A maioria dos testes de triagem auditiva é realizada antes da alta dos hospitais ou das maternidades.

Como se testa a audição em bebês?

A capacidade auditiva em crianças pode ser testada usando dois métodos diferentes: avaliações de resposta auditiva de tronco encefálico (ABR) ou medidas de emissão otoacústica (EOA).

Ambos os testes são precisos, não invasivos, automáticos e não requerem nenhuma resposta observável do bebê. O teste utilizado dependerá da escolha da instrumentação do programa de triagem e do treinamento do profissional.

Como ferramenta de triagem, ambos os métodos são extremamente eficazes. No entanto, existem algumas diferenças em como a capacidade auditiva é medida usando ABR em relação à EOA.

Se o bebê não passar no teste auditivo no hospital, o que acontece depois?

Na maioria dos programas de triagem hospitalar, os bebês que não passarem no teste serão encaminhados a um centro especializado em testes diagnósticos mais completos. Às vezes, problemas simples, como excesso de líquido amniótico residual e vérnix no canal auditivo, são resolvidos antes que a triagem seja repetida e o bebê passe por um segundo teste. Repetir o teste é um passo importante para determinar se o bebê pode ouvir, por isso deve ser realizado criteriosamente.

Se o bebê não passar numa segunda avaliação, será necessário realizar um teste diagnóstico completo. Este teste será realizado no centro onde a triagem foi repetida ou em outra instalação, dependendo de vários fatores.

Se o bebê tiver perda auditiva (hipoacusia), qual é o próximo passo?

A capacidade de um bebê para compensar a perda auditiva dependerá do tipo e grau da perda auditiva. O tipo de perda auditiva refere-se ao local onde o problema está localizado e a sua causa principal.

Ocasionalmente, a perda auditiva não pode ser corrigida com a cirurgia. No entanto, essas crianças geralmente se saem muito bem com aparelhos auditivos. Uma perda neurossensorial é indicativa de um problema no ouvido interno e em algum ponto ao longo do nervo do ouvido (nervo auditivo). Este tipo é geralmente permanente e não pode ser corrigido com cirurgia. Neste caso, um aparelho auditivo ou um implante coclear pode ser usado.

Todos os graus de perda auditiva requerem consulta com um médico ou profissional de saúde para realizar o diagnóstico e o seu tratamento mais adequado.

Além do tratamento médico ou cirúrgico precoce da perda auditiva, o envolvimento dos pais e o apoio do grupo familiar são essenciais. É necessário que os pais monitorem o progresso da criança, facilitem e encorajem o uso do aparelho auditivo e realizem outros exercícios terapêuticos destinados a ajudar a criança a se tornar uma ouvinte atenta e falante.

Em pesquisas, constatou-se que o principal fator de sucesso entre as crianças com deficiência auditiva está no empenho dos pais em ajudar a criança ao longo de sua vida.

Tratamentos da perda auditiva

  1. Surdez congênita

Todos os pais querem que seu filho seja capaz de desenvolver todas as suas habilidades. Assim, se você acabou de descobrir que seu filho é surdo ou sofre de perda auditiva, pode estar tendo uma sensação devastadora. No entanto, temos uma boa notícia: com o tratamento adequado desde o início, a maioria das crianças com perda auditiva será capaz de ouvir e crescer normalmente. Mesmo aquelas com surdez profunda podem se juntar ao mundo dos ouvintes, ir a escolas convencionais, ler e conversar com seus colegas, falar ao telefone e ouvir música.

Por que cada minuto conta

A intervenção precoce é a coisa mais importante que você pode fazer pelo seu filho. A audição é crucial para desenvolver as capacidades linguísticas e de fala que são vitais para o seu crescimento. Mesmo a perda auditiva leve pode levar à problemas de aprendizado e comportamento, e limitar seu filho, não apenas na escola.

Quanto mais cedo o seu filho puder ouvir e usar a linguagem falada, maior será a probabilidade de ele conseguir superar as deficiências auditivas e desenvolver todo o seu potencial acadêmico e social. Pesquisas mostram que crianças que recebem amplificação adequada antes dos seis meses de idade podem desenvolver suas habilidades linguísticas exatamente como outras crianças com audição normal.

Obtenha todas as informações necessárias

Sabemos que você está tomando decisões incrivelmente importantes sobre o futuro de seu filho. É por isso que você deve ter todas as informações necessárias para tomar a decisão certa para você e sua família. Discuta todas as opções com seu fonoaudiólogo ou médico especialista, que são as pessoas que melhor entendem as necessidades específicas de audição. Se você ainda não tem ninguém para conversar sobre isso, podemos ajudá-lo a encontrar uma clínica perto de sua casa.

Também pode ser útil conversar com outros pais que estiveram em sua situação e que possam lhe contar sobre suas experiências pessoais.

Não deixe de ver a incrível história de como um implante coclear mudou a vida de uma garotinha e sua família.

  1. Perda auditiva neurossensorial

Quais tratamentos existem?

O tratamento da perda auditiva neurossensorial varia de acordo com a gravidade da perda auditiva e se você a tem em uma ou ambas as orelhas.

Em dois ouvidos

Aparelhos auditivos podem ajudar a maioria das pessoas com perda auditiva neurossensorial leve a moderada em ambas as orelhas. Para uma perda auditiva mais severa, simplesmente os aparelhos auditivos às vezes não ajudam o suficiente. Isso ocorre porque a perda auditiva neurossensorial distorce os sons. Ao amplificar os sons por meio de aparelhos auditivos, eles soam mais altos, mas não necessariamente mais claros. Mesmo aparelhos auditivos de boa qualidade podem resultar em sons distorcidos se o ouvido interno estiver seriamente danificado.

Se você sofre de perda auditiva severa a profunda e os aparelhos auditivos não servem mais para você, você pode querer saber mais sobre os implantes cocleares.

Em um ouvido

Se você tem perda auditiva neurossensorial leve a severa em um ouvido, um aparelho auditivo convencional é a opção de tratamento mais comum. No entanto, uma vez que os aparelhos auditivos exigem um certo grau de audição residual, eles não podem ajudar no caso de perda auditiva profunda.

  1. Perda auditiva Conductiva

Quais tratamentos existem?

Para muitas pessoas com perda auditiva condutiva, a primeira solução pode ser colocar um aparelho auditivo. Isso pode ser apropriado se a perda auditiva for leve, mas se for moderada ou maior, os aparelhos auditivos geralmente não são a melhor solução. Há também outras razões pelas quais algumas pessoas não podem usar aparelhos auditivos (por exemplo, malformações que impedem seu uso) ou simplesmente não obtêm os benefícios esperados.

Aparelhos auditivos têm que aumentar o volume para forçar o som através do ouvido médio bloqueado e isso pode tornar o som distorcido e pouco claro. A perda auditiva condutiva também pode estar relacionada a infecções de ouvido, que podem ser agravadas pelo uso de aparelhos auditivos e, portanto, tornam difícil e desconfortável usá-los.

Diferença entre próteses auditivas e implantes cocleares

Os aparelhos auditivos amplificam os sons para pessoas com perda auditiva, enquanto os implantes cocleares são mais complexos e estimulam diretamente o nervo auditivo.

O processador (a parte que fica atrás da orelha), que parece um aparelho auditivo, na verdade, é um pequeno “computador” que digitaliza os sinais sonoros.

Os usuários de aparelhos auditivos geralmente apresentam perda auditiva que pode ser atenuada aumentando o volume dos sons que os cercam, que é como os aparelhos auditivos funcionam. Aqueles que precisam de implantes cocleares, no entanto, não apenas lutam com o volume do som: seus cérebros não ouvem realmente sinais sonoros.

Ouvir com um implante coclear não é como ouvir ou ouvir com um aparelho auditivo, mas os implantes permitem que as pessoas conversem, reconheçam sinais de alerta (como telefones) e entendam os sons ambientais.

Alguns usuários de implante coclear até dizem que as vozes têm um som mais “robótico”, mas muitas vezes elas podem entender e participar de conversas, tanto pessoalmente como por telefone.

O que é um aparelho auditivo?

Um aparelho auditivo é um dispositivo eletrônico usado dentro ou atrás da orelha. Ele amplifica certos sons e, ao torná-los mais altos, fica mais fácil ouvi-los. Assim, uma pessoa com perda auditiva pode ouvir com mais clareza, comunicar-se melhor e participar plenamente das atividades da vida diária. Os aparelhos auditivos podem ajudar muitas pessoas a ouvir melhor em ambientes silenciosos ou barulhentos.

Um aparelho auditivo tem três partes básicas: um microfone, um amplificador e um alto-falante. O aparelho auditivo recebe sons através de um microfone que converte ondas sonoras em sinais elétricos. Estes sinais são transmitidos para um amplificador que aumenta sua força e alcance, e os transmite ao ouvido através de um alto-falante.

Estos son los tipos de audífonos

Como os aparelhos auditivos podem me ajudar?

Se a sua perda auditiva for neurossensorial, os aparelhos auditivos ajudarão você a melhorar sua compreensão auditiva e de fala. A perda auditiva neurossensorial é causada por danos nas pequenas células auditivas do ouvido interno, denominadas células ciliadas. O dano pode ser causado por doença, velhice ou lesões causadas por ruído ou por certos medicamentos.

Os aparelhos auditivos amplificam as vibrações sonoras que entram no ouvido. As células ciliadas que permanecem intactas detectam essas vibrações amplificadas e as convertem em sinais neurais, que são então enviados ao cérebro.

Quanto mais graves forem os danos às células ciliadas, maior será a perda auditiva e maior será a amplificação necessária para que os aparelhos auditivos reparem o dano. No entanto, existem alguns limites práticos sobre o nível de amplificação que os aparelhos auditivos podem oferecer.

Além disso, se a orelha interna estiver muito danificada, mesmo as vibrações com maior amplificação não podem ser convertidas em sinais neurais. Neste caso, os aparelhos auditivos não irão ajudá-lo.

Encontre mais informações de como funciona um aparelho auditivo e como pode ajudá-lo.

O que é um implante coclear?

Um implante coclear é um dispositivo eletrônico pequeno e complexo. Serve para ajudar a dar uma sensação sonora a uma pessoa profundamente surda ou com graves problemas de audição. O implante tem duas partes.

Uma parte externa que é colocada atrás da orelha e outra que é colocada sob a pele através de cirurgia. Um implante tem as seguintes partes:

  • Um microfone, que captura os sons do ambiente.
  • Um processador de fala, que seleciona e organiza os sons recebidos pelo microfone.
  • Um transmissor e um receptor/estimulador, que recebem sinais do processador de fala e os convertem em impulsos elétricos.
  • Um conjunto de eletrodos, que coletam os impulsos do estimulador e os envia para diferentes regiões do nervo auditivo.
  • Um implante não recupera a audição. Em vez disso, pode dar a uma pessoa surda uma representação útil dos sons do ambiente e ajudá-lo a entender a fala.

Como funciona um implante coclear?

Um implante coclear é muito diferente de um aparelho auditivo. Os aparelhos auditivos amplificam os sons para que possam ser detectados por ouvidos danificados. Os implantes cocleares circundam as partes danificadas da orelha e estimulam diretamente o nervo auditivo. O nervo auditivo envia os sinais gerados pelo implante para o cérebro e o cérebro os reconhece como um som.

Ouvir através de um implante coclear é diferente de ouvir com audição normal e leva tempo para aprender ou reaprender a fazê-lo. No entanto, os implantes permitem que muitas pessoas reconheçam sinais de alerta, entendam outros sons no ambiente e desfrutem de uma conversa pessoalmente ou por telefone.

Quem pode receber implantes cocleares?

Crianças e adultos surdos ou com dificuldades auditivas graves podem ser candidatos a implantes cocleares. Até dezembro de 2012, cerca de 324.200 pessoas em todo o mundo haviam recebido implantes. Nos Estados Unidos, cerca de 58.000 adultos e cerca de 38.000 crianças têm implantes. [Os dados aproximados são da Food and Drug Administration (FDA), conforme relatado pelos fabricantes de implante coclear].

A FDA aprovou pela primeira vez implantes cocleares em meados dos anos 1980 para tratar a perda auditiva em adultos. Desde 2000, os implantes cocleares foram aprovados pelo FDA para uso em crianças a partir dos 12 meses de idade, desde que atendam a determinados requisitos.

Para crianças surdas ou com deficiência auditiva, o uso de um implante coclear desde de pequenos as expõe aos sons durante um período-chave para o desenvolvimento de habilidades de fala e linguagem.

A pesquisa mostrou que, quando essas crianças recebem implantes cocleares seguidos de tratamento intensivo de apoio antes dos 18 meses são mais capazes de ouvir e entender o som, a música, e a falar quando comparado com as crianças que receberam os implantes mais velhas. Estudos também mostraram que as crianças que possuem indicações para receber um implante coclear, e os recebem antes dos 18 meses de idade, desenvolvem habilidades de linguagem a uma taxa comparável à de crianças com audição normal e muitas têm êxito nas escolas convencionais.

Os implantes cocleares podem beneficiar alguns adultos que sofreram uma perda auditiva completa ou parcial em idades mais avançadas. Eles aprendem a associar os sinais captados pelos implantes com os sons que lembram, incluindo a fala, sem a necessidade de indicadores visuais, como os obtidos pela leitura labial ou língua de sinais.

Para mais informações sobre os implantes cocleares, clique aqui.

Soluções para perda auditiva

  1. Implantes cocleares

Um implante coclear é um dispositivo médico eletrônico que realiza trabalhos em partes danificadas do ouvido interno (cóclea) para fornecer sinais sonoros ao cérebro.

O que é um implante coclear?

Um implante coclear é um dispositivo médico eletrônico que substitui a função da orelha interna danificada. Ao contrário das próteses auditivas, que amplificam o som, os implantes cocleares realizam o trabalho de partes danificadas do ouvido interno (cóclea) para fornecer sinais sonoros ao cérebro.

Quem eles podem ajudar?

Os implantes cocleares podem ajudar pessoas que:

  • Tenham perda auditiva severa a profunda nas duas orelhas.
  • Tenham pouco ou nenhum benefício dos aparelhos auditivos.
  • Tenham uma pontuação de 50% ou menos nos testes de reconhecimento de sentenças realizados por profissionais de audição no ouvido a ser implantado.
  • Tenham atingido uma pontuação de 60% ou menos nos testes de reconhecimento de fala realizados por profissionais de audição na orelha não implantada ou em ambas as orelhas com aparelhos auditivos.
  • Muitas pessoas têm implantes cocleares em ambas as orelhas (bilateral). Ouvir com os dois ouvidos pode melhorar sua capacidade de identificar a direção a partir da qual o som chega e separar os sons que você deseja ouvir daqueles que você não quer.

Como eles funcionam?

Muitas pessoas sofrem de perda auditiva porque as células ciliadas do ouvido interno (ou da cóclea) estão danificadas. O implante coclear permite que o som seja transferido para os seus nervos auditivos e permite que você ouça.

Em seguida, o processo é descrito:

Implante coclear proceso
  • Um processador de som que é usado atrás da orelha ou no corpo captura o som e o converte em um código digital. O processador de som tem uma bateria que fornece energia para todo o sistema.
  • O processador de som transmite o som, codificado digitalmente, através da bobina localizada fora de sua cabeça até o implante.
  • O implante converte o som codificado digitalmente em impulsos elétricos e os envia ao longo do feixe de eletrodos que foi colocado na cóclea (o ouvido interno).
  • Os eletrodos do implante estimulam o nervo auditivo da cóclea, que por sua vez envia os impulsos para o cérebro, onde são interpretados como som.
  1. Implantes de condução óssea

Um implante de condução óssea evita problemas no ouvido externo e interno enviando som diretamente para o ouvido interno através do osso.

O que é um implante de condução óssea?

Um implante de condução óssea é um dispositivo médico que transmite o som por condução óssea direta através do ouvido interno, impedindo efetivamente o ouvido externo e o ouvido médio. Um sistema de condução óssea consiste de um pequeno implante de titânio, um pilar e um processador de som. O som é transmitido como vibrações do processador de som para o implante, através do osso para o ouvido interno.

Quem pode ajudar?

Os implantes de condução óssea podem ajudar pessoas que têm:

  • Perda auditiva condutiva.
  • Surdez unilateral – perda auditiva total em um ouvido.
  • Perda auditiva mista.

Quais são os benefícios?

Os benefícios dos implantes de condução óssea estão bem documentados.

Se você tiver problemas no ouvido externo ou médio, eles podem ajudá-lo a ouvir melhor em situações ruidosas e permitir a localização dos sons.

Se você está completamente surdo de um lado, um implante de condução óssea funciona enviando o som através do osso do crânio do lado não-auditivo para o ouvido interno funcional do lado da audição. Esta transferência de som confere uma percepção do som de 360 graus.

  1. Implantes eletroacústicos

Um sistema de implante eletroacústico permite que as pessoas com perda auditiva de alta frequência ouçam sons desse tipo, que são extremamente importantes para entender a fala e para se comunicar de forma eficiente.

O que é um implante eletroacústico?

Um implante eletroacústico combina amplificação acústica convencional com estimulação elétrica para proporcionar um som de alta qualidade e mais natural. Enquanto o componente acústico do dispositivo amplifica a audição natural de baixa frequência como esta:

Via elétrica:

  1. O processador de som externo captura o som e o transforma em sinais digitais.
  2. O processador de som envia sinais digitais de alta frequência para o implante.
  3. O implante transforma os sinais de alta frequência em energia elétrica e os envia para um feixe de eletrodos dentro da cóclea.
  4. A resposta auditiva do nervo causada pela estimulação elétrica e acústica é enviada para o cérebro, que os combina percebendo um som.
Procesador de sonido externo coclear

Via acústica:

  1. O processador de som externo envia os sons de baixa frequência para o componente acústico.
  2. O componente acústico amplifica os sons de baixa frequência e os envia através do caminho auditivo normal.
  3. Sons amplificados excitam os nervos auditivos.
  4. A resposta auditiva do nervo causada pela estimulação elétrica e acústica é enviada ao cérebro, que os combina percebendo um som.

Quem eles podem ajudar?

Você tem que se esforçar para ouvir claramente ao usar seu aparelho auditivo? Se for esse o caso, você não está sozinho. Muitas pessoas acham difícil ouvir claramente os sons do dia-a-dia, o que pode ser uma enorme fonte de frustração.

É familiar para você? Considere as seguintes perguntas:

  • O ruído de fundo interfere com o que você ouve em um restaurante? No trabalho? Em reuniões familiares?
  • Os sons que você podia ouvir de uma certa distância antes, agora são mais difíceis de ouvir?
  • Você deve se esforçar para ouvir o diálogo na TV enquanto outros acham o volume muito alto?
  • É difícil falar ao telefone?

Se você respondeu afirmativamente a qualquer uma dessas perguntas, há uma boa chance de que muitos dos sons de alta frequência estejam sendo perdidos. Você pode ter ouvido esse problema chamado de “surdez parcial”. A capacidade de detectar e apreciar esses sons é necessária para alcançar uma experiência auditiva completa.

  1. Aparelhos auditivos

Os aparelhos auditivos funcionam capturando o som e aumentando seu volume.

O que é um aparelho auditivo?

Os aparelhos auditivos captam o som, aumentam seu volume e o enviam através do canal auditivo, através do ouvido médio até o ouvido interno, onde estão os nervos auditivos.

Quem eles podem ajudar?

Aparelhos auditivos são muito úteis para pessoas com perda auditiva leve a moderada causada por:

  • Danos nas células sensoriais causados pelo envelhecimento normal.
  • Exposição ao ruído muito alto.
  • Reações aos medicamentos.
  • Ferimentos na cabeça.
  • Fatores genéticos (herdados de um membro da família).

Como eles funcionam?

Aparelhos auditivos amplificam sons. Existem muitos tipos e estilos de aparelhos auditivos para escolher, mas todos eles têm componentes semelhantes:

  • Uma pequena bateria que alimenta o aparelho auditivo.
  • Um microfone que capta sons.
  • Um amplificador que aumenta o volume do som.
  • Um alto-falante que envia o som amplificado para o ouvido externo.
  • Alguns aparelhos auditivos têm um processador digital que pode ajudar a anular o feedback (bipes) ou modificar o som para torná-lo melhor.
  • Com a ajuda de um especialista em audição, você pode obter um aparelho auditivo especificamente adaptado para:

-O seu nível de perda auditiva

-A forma do seu ouvido

-Ajustes de som habituais para aulas, restaurantes ou para ouvir música.

Quais são os benefícios de um aparelho auditivo?

Muitas pessoas com aparelhos auditivos relatam que:

-Eles os ajudam a ouvir e entender melhor a fala na maioria das situações.

-Eles permitem que participem de situações e reuniões em grupo.

-Eles os ajudam a ouvir sons suaves ou leves que eles não ouvem, pois têm perda auditiva.

Tenha em mente

As informações contidas neste site são apenas para fins educacionais e não se destinam a diagnosticar, prescrever tratamento ou substituir o aconselhamento médico. Consulte o seu médico ou profissional de saúde sobre tratamentos para perda auditiva. Eles serão capazes de aconselhar sobre uma solução adequada para a sua condição de perda auditiva. Todos os produtos devem ser utilizados apenas conforme indicado pelo seu médico ou profissional de saúde. Nem todos os produtos estão disponíveis em todos os países. Por favor, entre em contato com seu representante local da Cochlear.