Estas são as consequências que a falta de tratamento da perda auditiva pode ocasionar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Tratar a perda auditiva não deve ser opcional. Perder a capacidade de escutar é uma condição que pode limitar o desenvolvimento da fala e a linguagem entre os mais jovens ou afetar o bem-estar dos mais velhos. Há soluções para voltar a ouvir.

A perda auditiva não é uma condição pouco frequente. Ao redor de cinco por cento da população mundial é acometida por essa condição¹. Tratá-la é fundamental para evitar que a incapacidade de escutar corretamente se converta em um fator com consequências que afetem a qualidade de vida das pessoas.

Estas são as consequências que a falta de tratamento da perda auditiva pode ocasionar

A principal consequência de não tratar a perda auditiva é a redução das possibilidades de comunicação, especialmente se for em crianças com perdas auditivas ao nascer. 

Entre as crianças que não desenvolveram a fala nem a linguagem, a perda auditiva sem tratamento pode atrasar seu desenvolvimento cognitivo, impedindo o acesso a determinadas oportunidades e negando-lhes direitos, como ir ao colégio.

Sinaliza a Organização Mundial da Saúde (OMS) que “as pessoas acometidas pela perda auditiva tendem a ter maiores índices de fracasso escolar e necessitam mais assistência educativa”. Por sua vez, podem gerar sentimentos de solidão, isolamento e frustração².

Vale a pena sinalizar que, com o tratamento correto e a tempo, uma criança com perda auditiva pode atingir o mesmo desenvolvimento que qualquer outra criança com audição normal. 

Os adultos que perdem a capacidade de escutar podem produzir mudanças no seu bem-estar emocional e mental. Também correm o risco de influenciar negativamente na sobrevivência digna, pois a perda auditiva sem tratamento tem consequências sobre a vida econômica das pessoas por dificultar o acesso às vagas de trabalho³.

750 bilhões de dólares por ano. Esse é o custo anual de não tratar a perda auditiva no mundo, calcula a OMS⁴.

Como se pode identificar a tempo a perda auditiva?

A todas as crianças recém-nascidas devem realizar uma triagem auditiva que permita saber se toda a estrutura que participa na audição está funcionando corretamente. Se não for assim, os especialistas determinarão os passos a seguir para permitir que as crianças escutem.

Há, de qualquer maneira, alguns sinais de alerta que podem advertir que uma pessoa não está escutando corretamente e não são os mesmos para as crianças e para os adultos

Mas, em termos gerais, se evidenciar que se necessita fazer um maior esforço para entender o que é dito, não responder a estímulos sonoros (ser chamado por seu nome, por exemplo) ou está escutando música e televisão com volume muito alto, pode ser que alguma coisa não esteja bem e seja necessário realizar um teste para descartar ou confirmar a perda auditiva.

A perda auditiva é classificada em níveis, assim:

Fatores determinantes que produzem perda auditiva

Não há uma só causa para a perda auditiva. Pode ser uma condição congênita que afeta o recém-nascido, mas também aparecer com a idade, o que se denomina presbiacusia.

Uma lesão pela exposição a barulhos altíssimos (uma explosão, por exemplo) pode causar perda auditiva severa. As infecções frequentes no ouvido médio e alguns tratamentos com medicamentos ototóxicos (como alguns fármacos usados na quimioterapia para o tratamento do câncer), também podem gerar perdas auditivas que, sem o tratamento adequado, podem se agravar.

Tenha em conta
A informação neste guia é somente para fins educativos e não tem a intenção de diagnosticar, prescrever tratamento ou substituir o conselho do médico. Consulte o seu médico ou profissional da saúde sobre os tratamentos para a perda da audição. Eles poderão assessorar sobre uma solução adequada para a sua condição de perda auditiva. Todos os produtos devem ser usados somente segundo as indicações do seu médico ou profissional da saúde. Nem todos os produtos estão disponíveis em todos os países. Por favor, entre em contato com seu representante local da Cochlear™.

Referencias
¹ Em: Hipoacusia: trascendencia, incidencia y prevalencia.
² Em: Sordera y pérdida de la audición.
³ Em: Sordera y pérdida de la audición.
⁴ Em: Sordera y pérdida de la audición.

D1822046