Por que os processadores de som da Cochlear™ são discretos?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Os processadores de som são partes eletrônicas externas que compõem o denominado sistema de implante auditivo. São codificadores de sons que levam as ondas ao componente interno onde se transformam em impulsos elétricos que levarão os sinais auditivos ao cérebro para serem decodificados permitindo que as pessoas com perda auditiva escutem.

Que tipos de patologias da audição podem ser tratadas com um implante auditivo?

Existe um padecimento da audição muito comum. Chama-se perda auditiva e ocorre quando as pessoas, por diferentes fatores, perdem a audição em ambos os ouvidos ou em um deles. O grau de perda auditiva pode ir de leve (se o limiar auditivo não ultrapassar os 40 dB HL) a profundo (se o limiar for maior a 80 dB HL).

Quando a perda auditiva é leve ou moderada podem ser empregados os aparelhos auditivos que são dispositivos eletrônicos colocados atrás da orelha do ouvido acometido. Também existe uma opção de aparelhos auditivos intracranianos que possibilitam uma melhor audição, amplificando o som.

Quando as perdas são severas ou profundas, o possível tratamento é um implante coclear. Os implantes se encarregam, como já mencionado antes, de enviar os sinais que são captados pelos microfones do processador de som ao feixe de eletrodos que se encontra dentro da cóclea para que daí sejam enviados através do nervo auditivo até o córtex cerebral onde são interpretados.

Mas, além do processador e do implante, é necessário adiantar um processo disciplinado de reabilitação.

Partes de um implante coclear para a perda auditiva

Como já mencionado, uma solução implantável é composta de duas partes fundamentais: o implante (ou componente interno) e o processador de som (ou componente externo).

Processador de som:

É o componente externo e pode ser retroauricular (BTE) ou pode estar fora da orelha (BTE). Está unido ao componente interno por meio de uma antena ou bobina que, por sua vez, contém um ímã. Também é composto de dois microfones que recebem o som do ambiente e um decodificador que envia o sinal sonoro ao receptor/estimulador do componente interno.

Componente interno ou implante:

É composto de um receptor ou estimulador que se encarrega de receber a informação do componente externo e a transmite ao feixe de eletrodos. Este é o responsável por produzir a estimulação elétrica que estimula as fibras nervosas da cóclea e envia o som ao nervo auditivo.

implantes cocleares

O implante coclear será indicado se a perda auditiva ultrapassar os 90 dB e se não houver contraindicações ou predisposições negativas frente ao implante. É o especialista em saúde auditiva quem tomará essa decisão.

Como complemento aos implantes, podem ser utilizados os chamados sistemas de FM que têm como função levar o som de um lugar mais afastado. Por exemplo, de um professor ou um orador — em quem se coloca o dispositivo — ao usuário de implante ou aparelho auditivo, diretamente ao processador de som para que o sinal seja escutado com maior qualidade. Estes sistemas diminuem a poluição sonora (os problemas de acústica que existam no ambiente), os barulhos dos carros, a música de fundo ou qualquer outro tipo de som que impeça uma boa audição. 

Em algumas circunstâncias (quando o ouvido externo ou o médio estão lesionados) outros tipos de implantes são necessários: os acústicos de condução óssea. Estes estão compostos por um processador de som que capta os sinais através dos microfones, os converte em vibrações e as envia ao implante colocado no osso mastoide por onde se dirigem ao ouvido interno. 

Vantagens do uso de implantes com alta tecnologia

A Cochlear™ desenvolveu uma série de produtos para combater a perda auditiva. Trata-se de processadores de som sofisticados, geradores de bem-estar físico e social para seus usuários.

Os implantes cocleares e acústicos da Cochlear podem proporcionar uma melhora considerável em seu nível de audição e, além do mais, são discretos para as pessoas que os usam. Estes sistemas são colocados atrás ou fora da sua orelha. Sua discrição se deve ao seu tamanho que os torna confortáveis sem que percam a potência e rendimento.

O processador de som do Sistema Osia®, por exemplo, é fino, leve e discreto, pois sua espessura é de 10,4 milímetros. Isso sem que seja reduzida a potência que é entregue ao usuário.

Também está o processador Kanso® com seus 11,4 milímetros de espessura, é leve e pequeno, mas nem por isso menos poderoso. 

Outro dos processadores é o Nucleus® 7, discreto também. É um dispositivo de uso externo que se utiliza atrás da orelha. 

Todos estes processadores contam com tecnologia Smart Sound® IQ que otimiza automaticamente a experiência sonora baseada em um classificador de cenas ou programas, escaneando o ambiente e selecionando o que melhor se adapte ao lugar oferecendo um melhor desempenho auditivo.

Ou seja, o classificador de cenas (SCAN) realiza:

Estes processadores de som permitem uma melhor recepção dos sons do ambiente (em tempo real) e são modelos discretos (para a comodidade do seu usuário). Além disso, alguns modelos mais avançados são compatíveis com os telefones celulares.

As conferências, ligações telefônicas e conversas não serão um desafio com estas novas ferramentas que melhoram nossa saúde auditiva.

Isenção de responsabilidade

Procure aconselhamento junto do seu profissional de saúde sobre os tratamentos para a perda auditiva. Os resultados podem variar e o seu profissional de saúde irá aconselhá-lo acerca dos fatores que podem afetar o seu resultado. Leia sempre as instruções de uso. Nem todos os produtos estão disponíveis em todos os países. Contacte o seu representante local da Cochlear para obter informações sobre os produtos.

D1872222