O que é a microtia e a atresia e suas soluções

O que é a microtia e a atresia e suas soluções
dezembro 20, 2019

Existem malformações otológicas que podem acontecer na gestação devido ao desenvolvimento incompleto ou alterações em estrutura como o crescimento anormal do pavilhão auditivo externo (microtia) ou a ausência do conduto auditivo externo (atresia aural congênita).

A microtia é uma malformação congênita do ouvido externo na qual não se desenvolve por completo duranto o primeiro trimestre da gravidez. Em outras palavras, é uma alteração caracterizada por um pavilhão auricular pequeno, o que faz com que a orelha afetada pareça menor e tenha uma forma alterada.

Como pais, é importante ter em conta que estas malformações congênitas não significam que a mãe tenha cometido algum erro na etapa da gestação. Como as pesquisas científicas sugerem que podem existir diferentes variáveis associadas e fatores de risco como o consumo de medicamentos ou o abuso de algumas substâncias, ainda não há dados conclusivos.

Classificação da microtia

Etimologicamente, microtia está composta pelas palavras em latim “micro” e “otia” que significam “ouvido pequeno” ou para ser mais preciso, “orelha pequena”. Assim, a microtia pode ser dividida em quatro graus segundo a sua complexidade.

De acordo com a classificação Hunter, existem quatro tipos ou graus de microtia, sendo o grau 1 o mais leve e o 4 o mais grave. Em ocasiões, a microtia pode estar acompanhada de atresia [1], a ausência do canal auditivo externo associado à perda auditiva, o que a converte para maior precisão em grau 3 de microtia.

Segundo a organização internacional sem fins lucrativos Hear-it AISBL, a microtia tende a ocorrer junto com a atresia. “No entanto, a atresia pode acontecer de forma isolada, nesses casos, a orelha parece normal, mas apresenta ausência de conduto auditivo”.

Graus da microtia

Incidência da microtia

A incidência da microtia varia de acordo com a região do mundo, na qual se avaliam as diferentes variáveis. Esta incidência aumenta, segundo a pesquisa “Epidemiologia e fatores de risco para microtia na Colômbia” [2], em grupos étnicos e algumas populações como a japonesa, a população de fala hispânica e em índios nativos americanos.

Incidência da microtia

Dados que você deve saber sobre a microtia

Dados que você deve saber sobre a microtia

Tratamentos para a microtia e atresia

Os implantes de condução óssea representam a solução para a perda auditiva causada pela microtia e/ou atresia.

Geralmente, os pacientes com microtia e atresia são avaliados para saber se podem ser candidatos à cirurgia de reconstrução. Para aqueles que a reconstrução não é viável, o sistema Baha® é uma excelente solução, inclusive para aqueles que não conseguem recuperar a audição satisfatoriamente depois da cirurgia reconstrutiva.

Para as crianças que possuem, por exemplo, microtia ou atresia, se possuírem também perda auditiva, tanto os implantes de condução óssea quanto as soluções Baha® são alternativas eficazes.

O sistema Baha® pode ser utilizado desde uma idade muito precoce, oferecendo às crianças a possibilidade de aprender a falar, ler, escrever e se comunicar de maneira similar às outras crianças que não apresentam problemas auditivos.

Solução da microtia/atresia baseada na cirurgia reconstrutiva

De acordo com a investigação Microtia: definição, classificação e tratamento da Revista Pediatria Eletrônica da Faculdade de Medicina da Universidade do Chile, “a reconstrução com implantes, a reconstrução protética e a reconstrução autóloga mediante cartilagem costal são algumas alternativas para o tratamento cirúrgico, sendo a reconstrução autóloga a mais amplamente aceita”.

O mais complexo para as crianças, seus pais e familiares, talvez seja compreender que devem enfrentar a afetação e os problemas que desta se desprendem desde o ponto de vista estético, de possíveis ataques, piadas e danos na autoconfiança, pelo menos até que a criança chegue a certa idade.

Por quê? A razão se baseia em que depois do nascimento não se pode reconstruir a malformação do ouvido externo, razão pela qual se deve conviver com o fato de ter uma orelha pequena ou diferente em sua forma por um tempo.

A reconstrução é viável e mais simples, quando a criança tem entre 4 e 10 anos de idade, sendo os seguintes métodos os mais usados:

  • Reconstrução cirúrgica do ouvido externo com enxerto de cartilagem das costelas
  • Reconstrução cirúrgica com enxerto MedPor
  • Prótese ou correção sem cirurgia
  • A opção de não fazer nada

Tenha em conta
A informação neste guia é somente para fins educativos e não tem a intenção de diagnosticar, prescrever tratamento ou substituir o conselho do médico. Consulte o seu médico ou profissional da saúde sobre os tratamentos para a perda da audição. Eles poderão assessorar sobre uma solução adequada para a sua condição de perda auditiva. Todos os produtos devem ser usados somente segundo as indicações do seu médico ou profissional da saúde. Nem todos os produtos estão disponíveis em todos os países. Por favor, entre em contato com seu representante local da Cochlear™.