Como é o processo educativo em crianças com perda auditiva?

Educação em crianças com perda auditiva
setembro 24, 2020

As crianças com perda auditiva não têm motivos para estarem excluídas do sistema educativo. Na Colômbia há instituições que comprovam isso e políticas públicas para evitar essa exclusão.

A deficiência auditiva das crianças gera um desafio para os pais de família e para os educadores, porque a intenção é proporcionar aos menores com perda auditiva a possibilidade de ter um desenvolvimento educativo que lhes permita a sua inclusão, mas que respeite e entenda suas diferenças e potencialidades.

O primeiro passo é o diagnóstico da perda auditiva que deveria ser realizado o quanto antes. O teste auditivo neonatal é fundamental para obter o diagnóstico precoce e, assim, selecionar o tratamento indicado e começar, então, o processo de reabilitação auditiva.

O relatório Abecé de Salud Auditiva y Comunicativa “Somos todo oídos”, publicado pelo Ministério da Saúde da Colômbia lembra que, “segundo a OMS, cerca de 20 % das pessoas que têm perda auditiva podem melhorar com os seguintes dispositivos de ajuda auditiva: os aparelhos auditivos e os implantes cocleares”, portanto, é relevante ter acesso ao tratamento e ao atendimento apropriado.

Por sua vez, a Fundação Unir, da Universidad de la Rioja, na Espanha, lembra que o primeiro passo, e o mais importante, é que as crianças consigam aprender a linguagem, porque, depois disso, ocorre a continuação de todo o desenvolvimento cognitivo e o posterior processo educativo. Esta fundação defende que as crianças com perda auditiva possam estudar em salas de aulas tradicionais, para que desenvolvam todo o seu potencial em igualdade de condições com as outras crianças ouvintes. Mas, para conquistar isso, há que ir passo a passo.

A educação nas casas das crianças com perda auditiva

A casa é um lugar cheio de possibilidades para estimular a audição. Isto é o que diz Marcela Garrido, fonoaudióloga especialista em audição e linguagem e terapeuta auditivo verbal certificada pela Alexander Graham Bell Academy.

Cada atividade com uma criança com perda auditiva, mesmo entre os mais novos que ainda não têm idade para desenvolver a linguagem, é uma oportunidade para estimulá-los, especialmente se já receberam algum tipo de solução auditiva, como os aparelhos auditivos ou os implantes. 

A hora do banho, a rotina de trocar as fraldas, a hora da sesta. Cada instante há que ser aproveitado na construção da linguagem, falando com elas claramente, ir relatando o que se está fazendo para que vão identificando e associando sons, palavras e ações.

Se a criança já desenvolveu maiores capacidades auditivas e de linguagem, é importante fortalecer, principalmente, a audição. As tarefas de casa podem ser o meio para conseguir o objetivo, dando instruções básicas que podem ir exigindo um aumento do vocabulário. É importante, afirma a especialista, confirmar que se está trabalhando para a audição e não para a leitura labial.

A participação da família no processo de estimulação da audição é um pilar básico e necessita a dedicação de todos os seus membros para conseguir melhores resultados em crianças com perda auditiva.

Recomendações dos pedagogos

Há uma série de recomendações que os especialistas dão para serem seguidas no processo educativo das crianças com perda auditiva:

  • Há que trabalhar na obtenção precoce de um método de comunicação que favoreça o processo cognitivo e a socialização. É vital evitar que as crianças fiquem “separadas” das outras pela impossibilidade de se comunicar. O trabalho com os terapeutas ajuda neste processo que deve envolver a família;
  • Também é importante o desenvolvimento das capacidades de literacia para que a criança ganhe independência quanto a compreensão e o acesso ao conhecimento;
  • Não se deve descartar o acesso a soluções auditivas que melhorem a audição das crianças e facilitem a sua socialização. Na Colômbia, o procedimento de implante ou substituição de prótese coclear com preservação de rastros auditivos está incluído no Plano de Benefícios em Saúde (PBS) — antes conhecido como POS— para as crianças com menos de três anos.

Para o colégio no combate ao isolamento

As crianças com perda auditiva podem frequentar aulas em salas tradicionais? A resposta é: sim, claro. As crianças usuárias de dispositivos auditivos, sem dúvida, podem levar uma vida como a das demais crianças. 

A participação da criança com perda auditiva em atividades extracurriculares, como esportes e jogos, também é fundamental para o desenvolvimento. Sua condição auditiva não deve representar uma restrição, mas uma maneira diferente de estar no mundo.

Tenha em conta
A informação neste guia é somente para fins educativos e não tem a intenção de diagnosticar, prescrever tratamento ou substituir o conselho do médico. Consulte o seu médico ou profissional da saúde sobre os tratamentos para a perda da audição. Eles poderão assessorar sobre uma solução adequada para a sua condição de perda auditiva. Todos os produtos devem ser usados somente segundo as indicações do seu médico ou profissional da saúde. Nem todos os produtos estão disponíveis em todos os países. Por favor, entre em contato com seu representante local da Cochlear™.

D1749417